sábado, 28 de março de 2009

Eu já sabia



Em outro artigo havia escrito algo sobre a “mitificação de políticos”, coisa bem recorrente na Paraíba, ainda mais, quando se tenta enxergar o jogo político como uma partida de futebol. Política e Futebol, apesar de ser dever de todo cidadão discutir, são dois assuntos distintos. A única coisa comum aos dois temas é a emoção que pode afluir nos corações apaixonados.

Será?

Sabe quando você está acompanhando um campeonato de futebol e tu tens certeza que o seu time vai chegar à final, daí os adversários começam a “secar”?

Fenômeno parecido vai começando a se corporificar na política estadual, alguns pênaltis já estão sendo “apitados” antes mesmo do inicio da partida! E aquele centroavante que é o craque do Time chuta a bola no travessão. Ou ainda, a promessa do Clube para o próximo certame começa a levar pancadas dos adversários, correndo sério risco de disputar o próximo campeonato contundido.

Para piorar a situação não é só o craque do Time que está sob perigo, o excrete todo corre risco de ser retirado da competição antes mesmo da disputa ser oficialmente iniciada.

Mesmo relutando em fazer alguma analogia com a “paixão nacional”, é isto que começa a acontecer com a eminente candidatura de Ricardo Coutinho ao Governo do Estado.

No fim desta semana estourou o primeiro “rojão” contra o Prefeito da Capital, uma suposta (e convincente) denúncia de mensalão pago pela PMJP,fato curioso é que a acusação não é nova, já havia sido posta em discussão nas eleições municipais, mas agora, ressurge com plausíveis (e delicadas) provas. Principalmente, o difícil esclarecimento o qual RC tem que arrumar com o objetivo de explicar a gratificação de R$ 1.600,00 para sua irmã, ou até mesmo, ao conceder gratificações retroativas a comissionados da Prefeitura, aliás, complicadíssimo de se explicar.

Entretanto, não é só a posição de artilheiro de Ricardo que vai se complicar, um ponto novo ganha destaque, a aproximação entre PSDB e PSB começa a ser chutada para fora do estádio. A acusação cuja queixa vem sendo debatida neste texto, foi feita pelo site “PB Agora”, Portal Informativo pertencente a Savinir Cunha Lima, não conhece o jogador? O atleta é irmão do goleador suspenso, Cássio Rodrigues da Cunha Lima.

Ocorrendo ou não no próximo campeonato a vitória socialista, que fique claro: RC é um desportista como qualquer outro, é tão somente mais um jogador a procura de loiras siliconadas, carros importados, pagode e cerveja gelada! Já imagino quantos torcedores dignos e honrados vão pedir a Polícia Militar para me retirar aos chutes e pontapés do estádio. Mas, ignorando as vaias da torcida e o cassetete do Choque nas minhas costelas, vou em frente...

Sem querer entrar nas intrigas da torcida adversária, porém, respeitando minha própria sanidade mental, começo a ver Coutinho como mais um político em ascensão ao longo da história do nosso futebol, opa desculpa! Ao longo de nossa política. Para os fanáticos torcedores que não lembram sua eleição e conseqüente reeleição a Prefeitura da Capital, se deu baseada numa “união” com um dos Clubes os quais possuem a “Cartolagem” mais podre da politicagem paraibana, o PMDB.

A “Diretoria” do PSB Futebol Clube fez algumas aquisições “mascaradas”, hoje na base de apoio na Câmara Municipal pessoense existem vários esportistas, os quais, até bem pouco tempo, jogavam no Time tucano. Bastou o Presidente do Clube, Diretor de Futebol, Técnico, Centroavante e Artilheiro Ricardo Coutinho, convidá-los para vestir a camisa do governo local, para subitamente estes adversários inescrupulosos virarem aliados, apaixonados instantâneos pela causa socialista. Ou você nunca ouviu falar em amor a primeira vista?

A época a qual era apenas um jogador em inicio de carreira, atuando em times de pelada, como na fase em que jogava na posição de Deputado Estadual, o então desconhecido petista Coutinho, denunciava com afinco o despreparo, o mandonismo do Governo Maranhão, e atualmente, o galático RC, convocou para seu esquema tático vários pernas-de-pau que atuaram na administração peemedebista no período de 1995 a 2002.

A transmissão dos jogos, ou melhor, das eleições em 2010 não será destinada apenas a João Pessoa, ano que vem, o Estado inteiro vai acompanhar a peleja, todos querem levantar o caneco do Palácio da Redenção, e em decisão de título vale tudo. Se no futebol ninguém perde antes do apito final, na política nenhum candidato se elege antes dos votos serem contados.

Se servir de consolo para os eleitores/torcedores ricardistas, a infração cometida pelo artilheiro-prefeito não se configurou como improbidade administrativa, nem muito menos, o Capitão do Time depositou dinheiro da saúde em conta de campanha.

A penalidade é muito mais caracterizada como falta de fair play, careceu de ética, espírito esportivo. Obter a maioria na Câmara Municipal a todo custo, e de quebra, presentear alguns parentes, se assemelha a um gol marcado pelo atacante em posição de impedimento. Prática já bastante conhecida pelos torcedores paraibanos. RC com esta atitude ganhou o primeiro cartão amarelo, e se não agüentar a pressão e partir para o carrinho, vai acabar indo para o chuveiro antes do término da partida.

No que vai dar este burburinho ainda é imprevisível, contudo, Coutinho deve abrir os olhos para não amarelar em 2010, jamais querer repetir no próximo ano a performance de Ronaldo na Copa de 2002. Ter um quiproquó e babar antes de iniciar a partida, é um mico o qual o PSB não pode pagar, pois apesar da Copa do Mundo ser como eleições estaduais, rolar a cada quatro anos, no Futebol o centroavante tem várias chances, afinal, são muitos Títulos para disputar. Já na política, dificilmente existe uma “segunda vez”, o atacante só fica na “cara do gol” num único domingo de outubro, e pior, a cada longos quatro anos...

Deve ser por essas e outras que entrevista de jogador de futebol é tudo igual.

video

2 comentários:

Luiz Felipe Caetano disse...

em 2010 meu voto é de PATY!!!!

Anônimo disse...

E aí politiqueiro, tudo certo?

Gosto muito de suas análises sobre a política paraibana, se você não fosse um ghost writer eu bem que o convidaria para um quadro num programa de rádio que estou montando... Seria bacana que meus ouvintes tivessem acesso aos seus comentários coerentes e bem escritos sobre a politicagem paraibana.

Se te interessar me manda um mail, de repente a gente coloca um simulador de voz no seu microfone rsrsrsr e aí vc pode manter sua isenção e anonimato.

Abraço; Ana Santos

anasantos65@yahoo.com.br