quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

Você já pensou do que seria...



Da malandragem sem Bezerra da Silva?

De Brasília sem ladrão?

De Maranhão sem o Sistema Correio?

Do cinismo sem Helder Moura?

De Cássio sem os cheques da FAC?

De Campina Grande sem a Raposa?

Do Treze sem Chico da Tocha?

Da baitolagem sem Alex Filho?

Da doidiça sem João Dantas?

Da picanha, do toicinho e da rabada sem Rômulo Gouveia?

Do celular pré-pago sem os lisos?

Dos lisos sem o cartão de crédito?

Do nepotismo sem Efraim?

De João Pessoa sem o mar?

De Lucena e Jacumã sem os farofeiros?

Da alienação sem a Rede Globo?

Do Big Brother sem os alienados?

Da impunidade sem Gilmar Mendes?

Da pistolagem sem Wilson Braga?

Da burrice sem Cozete Barboza?

Da 51 e da pipoca Karintó sem os estudantes?

Do PT sem Duda Mendonça?

Dos marqueteiros sem a canalhice?

Dos vereadores sem as cestas básicas?

De Ricardo Coutinho sem o espelho?

De Ney Suassuna sem as ambulâncias?

De Michael Jackson sem as criancinhas?

De Ronaldo Cunha Lima sem o uísque?

De Veneziano sem a retórica?

Do marxismo sem a utopia?

Do autoritarismo sem a esquerda?

Do banheiro do Parque do Povo sem a podridão?

Dos advogados sem os recursos?

Da Polícia Civil sem o suborno?

Da Polícia Militar sem o pobre?

Da pobreza sem os políticos?

sábado, 24 de janeiro de 2009

Problema no link dos comentários


Tenho certeza que este espaço virtual está sofrendo perseguição de alguma força paranormal, os comentários estão chegando, mas não estou conseguindo publicá-los. Já noticiei o fato ao servidor, e disseram “devido a movimentação do sistema Blogger é comum a guia ‘publicar comentário’ sair do ar”.

O problema é que desde a criação do Blog, apesar de ler, não consigo liberar os comentários. De qualquer maneira, obrigado a todos que participam.

quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

Previsões para 2010


O mundo da política por vezes se assemelha ao futebolístico, todos amam fazer previsões. No que concerne ao futebol a única certeza que tenho diz respeito ao acesso da RAPOSA a série A, já na politicagem o assunto é bem mais complexo.

Mau 2009 chegou já começam as especulações para o ano vindouro, creio que as próximas eleições serão atípicas, pois a cidade que decidiu os dois últimos pleitos, ou seja, Campina Grande sairá da disputa majoritária, assim, vejo se abrindo os seguintes cenários:

a)PMDB-PT : Lançarão José Maranhão novamente, atendendo a busca quase obsessiva deste senhor em voltar ao Palácio da Redenção.

b)PSDB-DEM: Aí padecem dois candidatos, Efraim Moraes e Cícero Lucena, com toda certeza será um desses dois senadores que irá para a forca em 2010, profetizo mais, protagonizaram um vexame eleitoral há muito tempo visto.

c)PSB-PTB: Sem dúvida a chapa mais polêmica, nem precisa entrar nos pormenores, eis Ricardo Coutinho como candidato absoluto e intocável, resta saber até onde chegará sua envergadura.


Posto o seguinte cenário, o embate ficará entre peemedebistas e socialistas, porém, neste fuzuê tem um personagem que passou despercebido, o qual ainda será o fiel desta balança, é ele mesmo, Cássio Cunha Lima, para onde será que ele vai com os votos de Campina?

Neste caso, só saberemos após o fim dos trâmites legais lá em Brasília, pois o posicionamento de Cássio está diretamente ligado com a sua manutenção (ou não) no cargo. E dentro de toda a sua malícia política, ele está caladinho, ainda não se pronunciou sobre nada relativo a 2010. Aliás, há poucos dias falou literalmente “nunca conversei sobre política com Ricardo”.

Entretanto, se o negócio aqui é incorporar a mãe Dinah, acredito que em caso de manutenção do poder, o atual governador, vai discretamente “migrar” para o PTB, não é a toa que Armando Abílio (antiguíssimo aliado) se filou a legenda trabalhista, e que, se diga de passagem, compõe a base de Lula em Brasília, e aqui no Estado, jura amor ao Coutinho. Daí com a ajuda de uma dose de 51 e uma sardinha de tira-gosto, vejo Abílio saindo a vice-governador nesta mesma chapa, e para fechar a bagaça, Cássio senador. Já imagino até o jingle da campanha...

Ainda não podemos ignorar a “imparcialidade”, ou melhor, a indiferença de Coutinho frente ao turbulento cenário estadual. O prefeito de João Pessoa há dois anos não dá nenhuma declaração sobre o Governo do Estado, mais nenhuma mesmo! Ricardo já está de pernas abertas esperando Cássio copulá-lo.

Já que comecei de baixo para cima, vou agourar a coligação dos senadores, essa vai tomar um sacode daqueles... Duvido muito que seja o confrareiro Ciço, ou ainda, o nepotista Efraim, conseguirá com sorte somar 15% dos votos, não esqueçamos que estas duas criaturas estão no Senado graças ao “tio Cássio” o qual, indiscutivelmente, elegeu os dois. Com isso, raciocínio lógico: sem Cássio, sem voto!

E para finalizar com chave de cobre o Zé, sinceramente, tenho plena certeza que a disputa vai pegar fogo, não há como prever o comportamento do eleitorado pessoense frente a provável união entre o prefeito e Cássio, vários cenários podem surgir desta aglutinação.

A favor do Zé, pode gerar um repúdio dos votantes da capital, sufrágios estes que retornariam para o seu lugar de origem: o PMDB.

Contra o Zé, o eleitorado de João Pessoa enxergar que a fusão com Cássio é fundamental para a cidade após milênios, voltar a ter um governador do município.

O Senador peemedebista não vai encarar a peleja desacompanhado, pelo contrário, possui uma base sólida por todo o estado, um corpo político formado por um exército de prefeitos, deputados estaduais e federais, além de um aparato midiático robusto, cujo poderio não se abalou ao longos dos últimos seis anos na oposição.

Você deve estar pensando: e Veneziano? Porque não está nestas previsões? Caros Amigos, sinceramente para encerrar de vez esse assunto e fechar a tampa do caixão, o prefeito de Campina desde o 2° turno vem numa maré de azar terrível. Inclusive, o 2º round em Campina afundou suas pretensões ao Governo do Estado, as eleições para quem está no poder é plebiscitária, e o cabeludo no 1º turno tomou um inesperado não! Lembremos que as pesquisas do Sistema Correio davam para o prefeito uma suposta aprovação superior a 80%, números os quais não bateram com o resultado das urnas.

Uma disputa que tinha tudo para ser uma barbada virou um “deus nos acuda”. É verdade que Vital venceu, contudo, a um custo muito alto, se desgastou demais. E para sacramentar a quizila, veio a pancada das demissões dos servidores municipais. Vené vem numa transição para o segundo governo com uma administração mais aguada que sopa de albergue noturno, não tem “gordura para queimar” em outra disputa no próximo ano.

Não se engane, a disputa do prefeito campinense hoje é dentro do seu próprio partido contra o Zé, digo mais, atualmente não dispõe nem de 30% da bancada peemedebista para encarar o senador e partir para o combate de 2010. Em suma, o valete cabeludo é carta fora do baralho.

Enquanto a senatoria, nem vou aqui moer o juízo dos senhores, das duas vagas uma já tem dono. Preciso falar de quem é?

A disputa será pela segunda vaga, que aliás, está muito vaga... Não tem como se fazer a mínima previsão de quem pegará o segundo assento no Senado em 2011, mas, se é para prever... Apostaria na candidatura de Wilson Santiago (PMDB).

Pois bem, apertemos os cintos que a partir do segundo semestre desse ano começará a se formar todo tipo de aliança, das mais escabrosas possíveis, veremos inimigos mortais se tornando amantes libidinosos, como também, amigos fiéis se apunhalando mutuamente ao ar livre.

Vá preparando o estômago...

terça-feira, 20 de janeiro de 2009

Micarande em Outubro


No inicio da década de 1990 a Micarande apontava com uma festa promissora que poderia vir a render bons frutos tanto para a movimentação econômica da cidade, ainda que só por um final de semana, como também, para os políticos.

E foi o que aconteceu por mais de uma década, que o diga o clã Cunha Lima, o qual em disparado foi o principal ganhador do evento, quantas centenas de votos foram revigorados e/ou conquistados no mês de abril em Campina? Quantos discursos proferidos no Parque do Povo lotado foram feitos pelo então prefeito Cássio? Quantas vezes o carisma dos artistas baianos foram vinculados a simpatia do prefeito da cidade?

Era fato comum dentro da megalomania do povo campinense, dizer que a Micarande era a maior festa do gênero no Brasil, ou melhor, do mundo (como se acontecesse em outro país). Campina ficava 72h no ar, com uma série de eventos paralelos ao desfile dos blocos, a cidade respirava o clima de folguedo durante os três dias de folia. Ao menos, de fato conseguia trazer aventureiros de outras cidades como da capital paraibana, Natal e Recife.

O festejo em questão foi um grande filão de votos, um sucesso eleitoreiro, o problema começa quando a farra Cunha Lima termina... Desde o inicio dos anos 2000 a comemoração deixou de ser rentável, aliás, nos últimos dois anos a CDL de Campina pediu oficialmente a PMCG que não realizasse o evento, alegando prejuízo para a economia da cidade.

Se colocarmos na ponta do lápis, a festa não é mais nem de longe lucrativa, pois, o investimento é todo custeado pela Prefeitura, e os lucros direcionados a um único empresário, um tal de Luiz Augusto. Ou seja, é o público patrocinando o privado, lógica no mínimo confusa.

As despesas são imensas para um retorno inexpressivo, a Prefeitura custeia iluminação, parte da segurança, limpeza, organização do trânsito nas áreas adjacentes, aluguel de palco, trio elétrico, bandas, publicidade e etc.

Todavia, deve ficar claro que a decadência do carnaval fora de época em Campina não é de responsabilidade da atual gestão, a queda se deu em todo o nordeste por vários fatores.

A começar pelo esgotamento natural do modelo, as cidades que ainda seguem este tipo de festa reestruturaram todo o evento, principalmente, colocando-o em estacionamento de shopping e demais áreas privadas.

Ainda passa pela decadência que o principal hit da festa vem sofrendo desde o final dos anos 1990, o Axé Music agoniza, vive de um único artista (leia-se Ivete Sangalo), perdeu espaço nas rádios locais para o Forró Pornográfico (também conhecido como Forró de Plástico), e na mídia nacional, para o sertanejo sulista, o funk carioca e outros enlatados.

Estamos vivendo a maior crise do aaaa,ôôô, iiii,lê lê lê ô. As músicas made in Bahia, com seus “refrões ecléticos”, ignorando as consoantes, além de encarar a concorrência da pornografia musical vinda principalmente do Ceará, não consegue se renovar, afinal, as bandas que desfilam o estilo “fanho de cantar”, são as mesmas desde a minha infância lá nos anos 1980/1990.

A Micarande acabou por entrar nesta crise de produção dos tambores baianos, o evento foi se desgastando, e pior, não foi oportunamente alterado. Entretanto, ignorando tudo isso a Prefeitura ainda insiste na festa falida.

Acaba por ecoar como um atabaque tocado por um percussionista cotó, a estória divulgada pela gestão municipal que “a Micarande foi adiada para outubro, com o intuito de dar mais tempo para trabalhar na estrutura da festa”. Ou será tempo para prefeitura dispor de saldo bancário para patrocinar o evento?

sábado, 17 de janeiro de 2009

Condenado ao êxito


Em nosso primeiro mês no ar, conseguimos ultrapassar a honrada marca de cem acessos. Pois, além de se tratar de um assunto indigesto como política, nós não estamos vinculados a nenhum portal, por isso esta quantidade de visita nos deixa extremamente feliz.

Assim, de inicio viemos agradecer os amigos que divulgam este espaço, seja repassando os textos por e-mail para terceiros, ou ainda, divulgando o endereço do blog com colegas, enfim, queremos externar nossa gratidão a todos aqueles que nos acompanham e cabuetam o “Politiqueiro na Paraíba”.

Neste período, recebemos a quantidade de e-mail quase equivalente ao número de acessos, manifestações de todas as matizes, alguns parabenizando pelas crônicas,e muitos outros , detonando. Teve e-mail de partidários das duas famílias que bipolarizam a politicagem estadual, confesso que muitos deles não foram o que comumente chamamos de simpáticos.

E por correio eletrônico vieram esses posicionamentos os quais emitem uma gama de opiniões, para uns os artigos são irônicos, cômicos, cínicos, cretinos e etc. Sinceramente ficamos gratos em receber estas manifestações, afinal a idéia do blog é essa: abrir o debate. Fazer com que entre a discussão política sem sentir, ou melhor, que a discussão política entre em você, sem que você sinta. E aí? Conseguimos entrar em você?

Obs.1: O Título dos nossos sinceros e humildes agradecimentos foi retirado de uma autobiografia que (para a nossa sorte) não chegou a ser publicada, de um sujeito que a estas horas já deve ter expulsado o capeta e assumido o controle do inferno, o Sr. Roberto Marinho.
Obs.2: A atualização do blog sempre é feita no 3°dia útil de cada semana.

terça-feira, 13 de janeiro de 2009

A Caravana do Zé

O sena-dô Zé Maranhão estar a realizar uma “Caravana” por toda a Paraíba, com o objetivo de denunciar os “desmandos da atual gestão”, focalizando as obras inacabadas (mesmo sem o governo Cássio ter acabado).

No meio do moído que tem gerado a “Caravana da Reconstrução”, seus reais objetivos, o caminho que vai trilhar, será que passará por Alagoa Grande, onde estourou a barragem? Pela duplicação da BR-230? Ou ainda, pelas mais de mil obras inacabadas quando Roberto Paulino assumiu o Estado em 2002? Maranhão consegue antecipar a disputa que ganhará contornos de guerra civil no próximo ano, e desde já, começa a politicagem, ao chamar atenção para a sua suposta competência administrativa, dando um sinal claro a dois personagens:

1º Ao seu correligionário Veneziano, que pode esquecer em definitivo a indicação do partido ao governo em 2010. Mesmo porque, o Deputado Vitalzinho não compareceu ao front interiorano.

2º Para o prefeito da Capital, o aviso está nítido, se Coutinho sonhar com o governança estadual terá que enfrentar o aparato midiático do PMDB e toda a base deste partido espalhada pelo interior do Estado. Mesmo porque, o Zé segue com sua caravana ladeado por dois deputados federais do PSB, Marcondes Gadelha e Manoel Jr.

Mas não nos interessa aqui entrar na briga, na rota a ser percorrida pelo Zé, o que nos chama atenção neste momento, são as imagens dos trechos já percorridos pelo senador peemedebista, imagens estas que nos foram enviadas direto dos arquivos do Sistema Correio, as quais obtivemos com exclusividade no vídeo a baixo.

Esse primeiro take foi registrado no trecho entre Catolé do Rocha e São Bento, onde fica nítido o talento, a responsabilidade, o engajamento político do congressista paraibano José Targino Maranhão, e claro, as péssimas condições das estradas paraibanas. video

quarta-feira, 7 de janeiro de 2009

Dúvida Cruel


Esta semana, como de costume, assim quando acordo estico as pernas até o computador, começo o percurso informativo pelos sites nacionais, daí vou descendo até os panfletos partidários locais, e nessas andanças noticiarias me surpreendo com a seguinte manchete: “Governo fará concurso no Detran”.

Desde meados de 2003 até a presente data já tinha presenciado todo tipo de concurso, principalmente daqueles que você passa e não é nomeado, agora este em particular foi o que mais me surpreendeu, afinal, quais seriam os critérios para se trabalhar no Detran?

Evito ao máximo entrar naquela repartição, porém tem vezes que não há como evitar, daí tem inicio uma sucursal pelo inferno.

Antes mesmo de sair de casa tomo o soro antiofídico e vou...

Me sinto mau só de estacionar o carro dentro daquele prédio, de cara já aparece o 1° oportunista vindo colocar um pedaço de papelão no pára-brisa, após subir os primeiros degraus e começar a respirar aquele ar pesado, coloco as mãos no bolso, e tento me orientar pelas placas... Informação? Nem pensar! Ninguém olha para sua cara, a não ser que você entre com um despanchante, ou puxe qualquer pedaço de papel-moeda, e em cada fila tem um oportunista de plantão “querendo ajudar”.

Quando chega a vez de ser atendido (provavelmente por um simpático funcionário, o qual tem certeza que está te fazendo um favor) vem o momento já esperado, uma rasgada daquelas no bolso do cidadão! Uma pequena fortuna será paga, para você ter o direito de se locomover. Após o boleto impresso, lá mesmo, dentro de uma autarquia estadual, tem uma espécie de “shopping do oportunismo”; Banco Real, Multibank, recarga para celular, cabine de Xerox, e todo tipo de cretino seja concursado ou não, doido para ferrar um troco.

Como se não bastasse dentro da citada repartição há uma veemente disputa política, como todo solo público na Paraíba, existem duas facções, Cassistas x Maranhistas. Mas nem se preocupe com isso... A última coisa que eles querem por lá é seu título, a moeda corrente naquele antro é o dinheiro mesmo.

Desta maneira, pegando carona no concurso do promíscuo departamento de trânsito paraibano, gozando de suas atribuições constitucionais, Fernandinho Beira-Mar resolveu abrir inscrições para quem deseja trabalhar no Complexo do Alemão que engloba 12 favelas, ou melhor, 12 unidades administrativas, dependendo da circunscrição e, logicamente, da disponibilidade de vagas, o candidato poderá atuar nas seguintes áreas:

1.0 Assalto a mão armada
2.0 Sequestro
3.0 Fabrico e/ou venda de entorpecentes (atacado e varejo)
4.0 Torturador
5.0 Fogueteiro

* Para poder disputar as vagas o candidato deve seguir as seguintes exigências:

1.1.1.1.1.1.1.1.1.1 Ser Brasileiro nato ou bastardo;
1.1.1.1.1.1.1.1.1.2 Possuir curso superior em Direito;
1.1.1.1.1.1.1.1.1.3 Ter puxado no mínimo 2 anos de cadeia (experiência é fundamental);
1.1.1.1.1.1.1.1.1.4 Ter trabalhado ou feito algum estágio no DETRAN-PB;
1.1.1.1.1.1.1.1.1.5 Saber como evitar ataque de cobra cascavel.

* Das inscrições

1.¬£/0@1-1#1 Pagar a Taxa de 5 dólar de maconha na boca de fumo mais próxima de sua casa;
1.¬£/0@1-1#2 Os candidatos que requeiram isenção, como prova de sua miséria, devem trazer um policial militar devidamente assassinado.

Imagino agora a dúvida que está lhe atormentando “faço concurso para o DETRAN, ou, o do Complexo do Alemão?”

sexta-feira, 2 de janeiro de 2009

Ele não é só mais um rostinho bonito...


Do alto dos 550m na Serra da Borborema ouço alguns ecos da administração Ricardo Coutinho, confesso, que não acompanho seu trabalho a frente da edilidade passoense. Todavia, não posso deixar de reconhecer que as noticias as quais me chegam sobre seu trabalho são as melhores possíveis.

Definitivamente, o prefeito da capital além de ser um galã de cinema, tem um eleitorado desejado por muitos roteiristas pelos rincões da Paraíba.

Contudo, há alguns fatos relativos a figura ainda nebulosa de RC (especialmente o interior do Estado que pouco conhece sua trajetória), a começar pela sua delicada aliança com José Targino Maranhão, dizem lá na Capitá que RC não precisa do Zé, mas se não precisa porque se juntou?

Dizem que RC é um político independente, porém, tem nas fileiras de seu partido nomes como Marcondes Gadelha, Guilherme Almeida e Manoel Jr.

Ainda falam da esmagadora porcentagem de votos obtidos nas últimas eleições municipais, entretanto, se esquecem que no meio dos mais de 260 mil votos obtidos, RC contou com eleitores do PMDB na capital.

E pessoalmente, o maior desafio que vejo sobre a figura do Coutinho, é se sobrepor ao cenário estadual, de João Pessoa a Cajazeiras, os nomes de STzé e Casse-o, ainda são imbatíveis, muito dificilmente uma candidatura que não seja “abençoada” por uma dessas duas mãos logrará sucesso na politicagem paraibana.

A Paraíba apesar de ser um Estado pequeno tem as regiões politicamente muito bem definidas, os feudos são divididos palmo a palmo, só para citar alguns exemplos, quando falamos do brejo aparece o nome de Armando Abílio, se falar do Cariri, salta Efraim Moraes, no litoral, Wilson Santiago e José Maranhão, no compartimento da Borborema, Cássio Cunha Lima... Parece que cada mm² do Estado já tem dono, e como quebrar com isso?

Se eu soubesse, venderia minha alma ao cão e saia candidato em 2010!

Coutinho, se tem o enxerimento de sair candidato em 2010 terá que fazer as alianças das mais “polêmicas”, aliás, muito mais discutíveis das que já foram traçadas para assumir o governo da Capital. O PSB é um partido minúsculo, com poucos nomes de expressão, e o pior, os nomes “fortes” são mais ligados ao PMDB do que ao próprio Ricardo.

Não há como se comparar uma eleição municipal com uma disputa de diâmetro estadual, as bases espalhadas pelos 56.584,6 Km² do território paraibano são de fundamental importância, e estas bases só podem ser construídas com um único produto, comumente chamado de DINHEIRO.

Além do mais, é preciso um aparato midiático que divulgue as benesses do prefeito da capital para que todo o Estado fique sabendo do seu governo, suas idéias, obras, o trato dispensado a coisa pública. Assim, como o espaço físico, os meios de (des)comunicação na Paraíba, também já estão há muito tempo rateados, desde as emissoras de TV, passando pelos impressos, a caminho das rádios, e ao finalizar nos sites, tudo já tem dono! Está aí, mais um desafio a ser superado pelo PSB estadual.

Após ter obtido a votação já citada, RC acabou por ganhar contornos de ídolo hollywoodiano, para os mais eufóricos a 3ªvia, a salvação, só que o negócio é bem mais complexo. E por favor, tenhamos cuidado ao mitificar políticos, o último “mito”, pop star da política paraibana, comecei a ouvir falar na minha infância, um tal de C.C.L e olha só no que se tornou...